A ficção invade a vida real: A Mc Mirella é uma das vítimas do esquema de Núbia Oliver. Entenda

Ouça essa notícia

Núbia Oliver e Mirella. Foto: Reprodução da internet

 

Quem aí lembra da novela “Salve Jorge” da Tv Globo? O tráfico de mulheres para países estrangeiros foi o tema da trama, que por sinal, gerou muita polêmica. Na época o assunto era pouco conhecido em meio às brasileiras, mas mal sabíamos que já era um fato recorrente no país.

Hoje, 9 anos depois, a ficção se torna realidade e Mc Mirella tem seu passado escancarado para todo o Brasil. A funkeira já viveu na vida real o que Morena vivia em Salve Jorge. Lívia Marini, que era a agenciadora na trama, perdeu o posto na vida real para a modelo Núbia Óliiver, que era comissionada pela quadrilha enquanto selecionava garotas para o programa.

Tudo veio à tona quando começou a “Operação Hárem” que investiga um complexo esquema de exploração sexual e tráfico de mulheres liderado por Rodrigo Otávio Cotait.

De acordo com a reportagem exibida no Fantástico deste domingo (02), jovens e menores de idade eram selecionadas por ele nas redes sociais, depois filmadas no apartamento do empresário e negociadas com compradores no exterior. A cantora Mc Mirella, que agora vai estar no “Power Couple” na Record, foi uma das vítimas do esquema, quando tinha apenas 17 anos.

Rodrigo escolhia jovens do Brasil e as preparava para encaminhá-las para o exterior. Um dos seus principais clientes era Wissan Nassar, empresário e dono de um dos maiores shoppings do Paraguai, que também é alvo das investigações policiais.

Através de um áudio interceptado pela polícia, o agenciador de Mirella supõe que a cantora teria dificuldade em comprovar que foi vítima da quadrilha, visto que foi paga, na ocasião, em dinheiro vivo: “Paguei em cash, a menina não tinha nem conta em banco, pq tinha 17 anos”.

Segundo a advogada da funkeira, Adélia Soares, Mc Mirella consta como vítima e testemunha no processo: “Essa quadrilha contratou ela, tentou levá-la. Então houve realmente essa situação, mas acabou não sofrendo o crime, não concretizou o crime”, explicou.

Segundo o Hugo Gloss, o inquérito aponta que em 2019, a funkeira teria tentado convencer uma menina de 16 anos a participar do programa pelo valor de 2 mil reais. Mas, após a negativa da garota, a proposta teria ido para 5 mil reais. A defesa da Mc negou o aliciamento.

Seis integrantes da quadrilha já foram presos no Brasil, na Espanha e em Portugal durante a operação policial. A modelo Núbia Cássia de Oliveira, “Núbia Óliver”, também é uma das investigadas pela Polícia Federal por ter tido envolvimento na seleção das garotas. A ex-Casa dos Artistas, enviava fotos sensuais de outras mulheres a Rodrigo e combinou um programa sexual com uma delas em troca de comissão.

Recentemente a modelo foi bloqueada no Instagram, ainda por motivos desconhecidos, e por esse fato, ela está no OnlyFans, um aplicativo de fotos ousadas que precisam ser pagas para serem visualizadas.

A Mc Mirella se pronunciou quanto ao envolvimento do seu nome nessa história e através de uma nota da sua assessoria ela voltou a afirmar que só está no processo como vítima da quadrilha e que em momento algum seu nome é citado como investigada. Eles ainda aproveitaram para levantar a bandeira da orientação quanto à essas quadrilhas e pediram que todas as mulheres e famílias fiquem atentas.

 

Compartilhe