Missa de Paulo Gustavo é marcada por momentos emocionantes. “Te amei demais, te amo e te amarei para sempre”

Ouça essa notícia
Reprodução Internet - Déa Lúcia (mãe de Paulo), Juliana Amaral (irmã), Júlio Márcio (pai) e Thales Bretas (esposo)

A noite de ontem (11), foi tomada pela emoção. Às 18h30 acontecia a Missa de Sétimo dia do ator e humorista Paulo Gustavo e também às 423 mil vítimas da Covid-19. O Cristo no Rio de Janeiro estava tomado de familiares e amigos, com o coração cheio de saudades.

O momento foi preenchido de discursos emocionantes e de louvores e canções de arrepiar.

Celebrada por Padre Omar, reitor do Santuário do Cristo Redentor, Padre Jorjão e Padre João Damasceno, a homenagem foi restrita apenas a familiares e amigos próximos, mas pôde ser assistida por todo o público através do canal fechado Multishow, que no momento da celebração liberou o canal para que todos pudessem assistir a transmissão deste momento único.

Dona Déa Lúcia, mãe de Paulo Gustavo, emocionou quem acompanhava a missa pela TV com seu discurso:

“Vocês falam que sou forte, mas não sou. Minha força vem de Deus. Obrigada aos amigos que estão aqui. Foram 54 dias de sofrimento, mas vocês me ajudaram. Um beijo no coração de cada um de vocês. Um beijo para todos os fãs do Brasil que rezaram, oraram, cada um na sua religião. Meu filho curou, ele foi embora, se curou totalmente. Me coloco de joelhos para todas as mães que perderam seus filhos para essa maldita doença. Muito triste o filho ir embora antes da mãe, são os desígnios de Deus. Um beijo e obrigada por estarem comigo, com Juju, com Thales e ajudando a gente a superar isso tudo”, disse ela emocionada.

 

Com a voz embargada, a irmã do ator, Juliana Amaral, recitou um poema de Santo Agostinho, chamado A Morte Não É Nada.

A morte não é nada

Eu somente passei…

A melhor amiga de Paulo Gustavo, a diretora Susana Garcia, também fez questão de prestar sua homenagem a ele. “Você agia exatamente conforme você pensava. A gente sempre queria a sua opinião porque a gente sabia que iria vir verdade! E pensar que você e muitas pessoas morreram porque não tiveram duas doses, apenas duas doses de uma vacina que já existe. Essa dor não pode ser em vão, por isso nosso amigo querido, por você, em sua honra, seremos cada vez mais um imenso mar de força, determinação e coragem contra tudo que nega a vida. Você lutou contra o preconceito, contra o racismo, contra a homofobia! Você fazia esse país se curar através do riso.”

O viúvo Thales Bretas vestiu um blazer, preto com asas bordadas em paetês nas mangas, que era de Paulo Gustavo, em homenagem ao amado. “Te amei demais, te amo e te amarei para sempre.”

A celebração contou com o coro Bienias & Prim que levaram a emoção na música, na voz, arrepiando qualquer um que assistia. A vocalista cantou a música que Paulo mais gostava de ouvir da sua ídola, Beyoncé. E parecia que ele estava ali!

Regina Casé, no momento de oração a Maria, entrou segurando Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil. Um momento emocionante!

Além destes, outros amigos de Paulo também estiveram na cerimônia: Angélica, Luciano Huck, Fábio Porchat, Heloísa Périssé, Ingrid Guimarães, Samantha Schmutz, Monique Alfradique e Carol Trentini faziam parte das quase 30 pessoas que compartilhavam daquele momento de dor e emoção.

Por um momento, o Cristo se apagou em respeito às vítimas da Covid-19 no país.

Paulo Gustavo faleceu, aos 42 anos, na última terça-feira (4/5), em decorrência de complicações da Covid-19, após 51 dias de internação. O ator deixou dois filhos, Gael e Romeu, de 1 ano e 9 meses, o marido, Thales Bretas, os pais, Déa Lúcia e Júlio Barros, e a irmã, Juliana Amaral. O corpo do humorista foi cremado na última quinta-feira (6/5), em uma cerimônia restrita a familiares e amigos próximos, em Niterói, Rio de Janeiro.

Compartilhe